Cabeçalho da página "reflexões" do site Mário Pedrosa 120 anos.

De e sobre Pedrosa

Parte do pensamento de Mário Pedrosa sobre arte e política pode ser conhecido nas reflexões reunidas nesta página.

Alguns textos são dele próprio, como o discurso de inauguração da primeira exposição de obras doadas ao Museu da Solidariedade (Museo de la Solidaridad), do Chile, realizado em 17 de maio de 1972. Também está aqui a carta escrita por Mário a Luiz Inácio da Silva, o Lula, em 10 de agosto de 1978, um primeiro contato, pela admiração do experiente militante com o jovem sindicalista.

José Castilho Marques Neto fala de seus encontros com Pedrosa na década de 1970 e como ele o influenciou até a escrita do livro Solidão Revolucionária, que faz um mergulho na correspondência do jovem Mário com o amigo Lívio Xavier nos anos 1920.

Dainis Karepovs traz um artigo sobre a atuação de Mário na década de 1930 e em especial na luta contra o fascismo, com a Frente Única Antifascista (FUA).

Aqui também se reúnem artigos feitos por estudiosos do trotskismo e da trajetória de Pedrosa, como Flo Menezes e Vito Letizia.

Quito Pedrosa faz um relato sobre o legado de seu avô, enquanto Claudia Zaldívar, diretora do Museu da Solidariedade Salvador Allende, fala sobre a importância de Mário Pedrosa para a criação desse museu de resistência.

Este espaço será atualizado com novas reflexões sobre Mário Pedrosa, sua obra, seu tempo e sua importância para o momento atual.

O professor José Castilho Marques Neto

José Castilho Marques Neto: É sempre muito importante revisitar e debater as ideias e a vida de Mário Pedrosa, intelectual, crítico de arte e militante socialista que detém um referencial ímpar tanto tanto na esquerda brasileira quanto internacional.

Jornal do Povo sobre a Batalha da Sé, 1934.

Dainis Karepovs: Quando o jovem militante do Partido Comunista do Brasil (PCB) Mário Pedrosa foi enviado para cursar a Escola Leninista em Moscou ele fez uma escala em Berlim. Mas dali, por razões de saúde e, em especial, por ter-se inteirado do que ocorria em Moscou como resultado dos confrontos entre Stalin e Trotsky, sua viagem não mais prosseguiu.

Mário Pedrosa em Madri, 1974. Fonte: MSSA

Quito Pedrosa: Quando pensamos em legado, muitas vezes estamos nos referindo à obra formal deixada por um autor e em como esta influenciará o seu campo de ação e as futuras gerações. Em alguns casos específicos, o legado é simplesmente o efeito na posteridade das ações praticadas ao longo de uma vida.

Carta de Mário Pedrosa a Lula, 1978. Cemap.

Em agosto de 1978, Mário Pedrosa escreveu uma carta ao então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e Diadema, Luiz Inácio da Silva, o Lula. Nesse primeiro contato, o velho militante socialista demonstrava seu entusiasmo com o jovem sindicalista e já antevia o surgimento do Partido dos Trabalhadores.

Salvador Allende e Mário Pedrosa discursam na inauguração do Museo de la Solidaridad, em 17 de maio de 1972

Discursos pronunciados pelo presidente Salvador Allende e por Mário Pedrosa, então presidente do Comitê de Solidariedade Artística com o Chile, na inauguração da primeira exposição de obras de arte doadas ao Museo de la Solidaridad, em 17 de maio de 1972a.

Capa do Catálogo da primeira exposição do Museo de la Solidaridad,1972

Claudia Zaldívar: Desde sua criação, o Museu da Solidariedade Salvador Allende (MSSA) é caracterizado por sua condição atípica e singular, tanto do ponto de vista cultural quanto do político, por conta de seu projeto experimental e visionário. O MSSA foi fundado a partir da solidariedade de artistas em apoio a um projeto utópico de museu e também de país.

Vanguarda Socialista, nº 41, de 7 de junho de 1946

Vito Letizia: Em 1946 o jornal “Vanguarda Socialista" publicou uma série de palestras sobre a Revolução russa e seus resultados, pronunciadas por Mário Pedrosa. Vale a pena comparar a impressão causada pela URSS triunfante do tempo de Stalin, mesmo entre militantes antistalinistas como Pedrosa, com a perplexidade geral ante seu desmoronamento.

Cartaz do 1º Encontro Internacional Leon Trótski, em maio de 2019 em Havana (Cuba).

Flo Menezes: Um fato trágico ocorrido a 14 de abril de 1930 em Moscou encerra o ciclo dos primeiros 13 anos da Revolução Russa, tornando-se emblemático da época de sua aguda burocratização: o suicídio, aos 36 anos, do poeta Vladimir Maiakovski.