cartas-imgHeader

Carta 18

18. Carta de notícias enviada por Mário Pedrosa a Lívio Xavier. Rio de Janeiro, 20 de dezembro de 1929. Original. 5 folhas. (Contém marginália nas folhas 1, 4 e 5). [Livio-1929-12-20]

[fl. 1]

Rio, 20-12-29.

Livio, poeta besta. Recebi sua carta e o recado pela Mary.1Mary Houston, mulher e companheira de militância de Pedrosa. O Coutinho sustenta que lhe escreveu uma carta até amorosa e mandou os troços. A critica do Bloco sei, porque o Leal me disse, que está com elle. O que você diz a respeito da carta é besteira. O de que se trata agora é de provocar dentro do partido entre o maior numero possivel de membros – um movimento de reação – em torno de um caso concreto – contra os processos usados pela direção. Ninguem por emquanto pode alargar os problemas etc.2No fim de 1929, Pedrosa, Lívio Xavier e Rodolfo Coutinho mantiveram um processo intenso de debates com outros companheiros de militância rompidos, em maior ou menor grau, com a direção do PCB, na perspectiva de construir a oposição de esquerda no Brasil. Esse trabalho, que deu origem ao Grupo Comunista Lênin, incluía a produção de estudos teóricos e de crítica à linha do partido. Um deles foi a discussão sobre o Bloco Operário e Camponês (BOC), a frente formada pelo PCB para levar adiante a política de alianças com a pequena-burguesia para eleições – embora esse ano tenha marcado seus momentos finais, sob ataque da 3ª Internacional, que iniciara seu “giro à esquerda”. A maioria dos que assignarem a carta – não nos acompanhará se quisermos desde ja aprofundar a questão. De modo que a carta só pode ser assignada por membros do partido comunista.

Por aqui a cousa vae, mas se arrastando irritantemente. Estamos ainda a nos organisar. Estamos deixando que o pessoal amadureça. A questão dominante agora é a syndical – e nomeamos dois camaradas graphicos – pra relatar sobre a questão – de modo a que isto seja discutido completamente e se possa então traçar uma linha geral. Depois – então – passaremos a outra questão. E assim pouco a pouco até discutirmos todas as questões e problemas. O diabo é que o pessoal – é anarchisado, hesitante como diabo. Chame a attenção do Aristides para a

Na margem esquerda: A carta só deve assignada por membros do p.c.

[fl. 2] 2

maneira arbitraria e illegal safada, com que agiu o Plenum etc para com a 4R.3Na cisão de 1928, Aristides Lobo passou para a oposição, mas não saiu do PCB. Mesmo assim, mantinha contato com Lívio Xavier e outros ex-militantes. Pedrosa se refere ao caso da célula 4R, que agrupava gráficos. Em julho, ela apresentou uma série de críticas à linha sindical do PCB. A direção acusou seus militantes de indisciplina e eles reafirmaram sua posição. Em vez de abrir o debate, em agosto a direção pediu-lhes que reformulassem as críticas em forma de artigo para a revista Autocrítica, o que fizeram. Mas antes da publicação, o 3º Pleno do Comitê Central, reunido em outubro, expulsou os militantes.

E naturalmente vá analysando com elle os erros e a burrice da politica do partido comunista em todos os campos etc. Vamos assim agindo por aqui como podemos e como permitte a insufficiencia do pessoal. O momento é aqui de absoluta e systematica reação. Nunca houve tanto methodo e deliberação na repressão: elles querem acabar de uma vez com toda e qualquer velleidade de organisação syndical quanto mais politica do proletariado. E essa tendencia tende a aggravar-se á medida que a agitação politica for se tornando mais intensa etc. A politica do partido até hoje foi feita como se tivesse por fito exclusivo facilitar a ação da policia etc. Agora naturalmente a cousa vae por si mesma. E emquanto durar a questão de successão a repressão só tende a crescer.4Pedrosa se refere à acirrada campanha para a eleição presidencial de março de 1930, marcada por muita instabilidade e forte repressão a sindicatos e organizações operárias. Em 1929, o presidente Washington Luís indicou Júlio Prestes como candidato do governo. Os partidos dominantes em Minas Gerais, Paraíba e Rio Grande do Sul e legendas menores de outros Estados se uniram na Aliança Liberal, que lançou a candidatura de oposição de Getúlio Vargas. A radicalização se estendeu para além do dia da votação e desembocou na chamada Revolução de 1930, que instalou Vargas no poder em novembro. E se não conseguirmos crear um nucleo, uma boia de salvação, que reserve o futuro, para o movimento communista no Brasil – este será aniquillado no Brasil por muitos annos.

Nunca vi tanta cretinice e estupidez como a dessa gente do partido comunista. É incrivel.
No Conselho – estão completamente desmoralisados.

[fl. 3] 3

Conseguiram attrair sobre elles proprios um ridiculo invencivel. E não podem fazer mais nada. Ha cousa que só de bocca se pode tratar. Etc.

Soube do endereço do Plinio em Porto Alegre. Vou mandar esses documentos para elle.5O jornalista Plínio Mello vivia situação semelhante à de Aristides Lobo: apoiara os oposicionistas em 1928, mas continuava no PCB e mantinha discussões sobre a oposição de esquerda com Lívio Xavier e Pedrosa, dos quais era amigo desde 1925.

Da Europa não recebi mais nada. A não ser o jornal opposicionista da Allemanha.

––

Por aqui vae se indo. A Mary chegou, coitada, e de azar teve uma recaida. Tem tido febre de novo – com infecção intestinal. Vae melhor porem.

O Antonio Bento chegou hontem á noite. Ainda não pude falar longamente com elle. Continúa a achar que vae para a Europa ja. Passou pela Parahyba onde esteve com o Antenor que vae bem.6O crítico de arte Antônio Bento de Araújo Lima, na época deputado estadual no Rio Grande do Norte, e o jornalista e político paraibano Antenor de França Navarro, amigos antigos de Pedrosa e Lívio Xavier.

O poeta Bopp fui leval-o a bordo do Kanagawa – vae fugindo a uma situação embaraçosa para elle – não só do ponto de vista sentimental como politico: Comprehendi que estava se sentindo mal nas duas.7O fim de 1929 marcou a dispersão do Movimento Antropofágico: seus criadores, Oswald de Andrade e Tarsila, se separaram, e a Revista de Antropofagia, que Raul Bopp editava, deixou de existir. Bopp ainda sofreu um desencanto amoroso, pois Oswald se separara para casar com a escritora Patrícia Galvão, a Pagu, de quem ele gostava. Com isso, o poeta deixou São Paulo no navio japonês Kanagawa-maru e passou os dois anos seguintes viajando pelo mundo. Queixa-se da velha Houston. Mas acho que isso não explica o desenlace. Creio que o motivo determinante gira em torno daquellas conversas que tivemos em São Paulo. Alem do mais o poeta é um solitario – e só pode viver mesmo sosinho, e a Mary naturalmente sem experiencia. Fui eu o unico amigo que foi

[fl. 4] 4

levar o poeta a bordo.

Por aqui – tudo páu. Minha vida completamente insustentavel. Nada faço. Não tenho vintem. Uma merda. A actividade politica não me basta – porque ainda é muito precaria e me falta calma e paciencia para suportar a passividade do pessoal. Mesmo da parte dos amigos. O Coutinho – profundamente cançado, o Savio, influenciado pelo Coutinho – com um scepticismosinho irritante, o Escobar impossibilitado duma ação regular, aparecendo esporadicamente. O resto não merece confiança: Octaviano, Mesquita e caterva. –– Em outro campo – O Castro e os que o cercam – naquella arretação, naquella punheta confusionista de sempre.8O então estudante de engenharia Sávio Antunes, os advogados Wenceslau Escobar de Azambuja e Octaviano du Pin Galvão, o professor da Faculdade de Direito do Rio Edgar de Castro Rebello e outros militantes do PCB que estavam, em maior ou menor medida, no processo de rompimento com a direção. Em todo caso ouvir aquellas manias e modos do Castro – é sempre menos cacete. Elle ás vezes é gozado. Naturalmente – não, pra fazer politica.

Os literatos – incriveis. Continúa o Castro a pensar na revista. Titulo: Outra America. Minha participação nela se limitará somente, é claro, a collaboração literaria. Mais nada. Elle – com os merdas Adelmo etc de volta delle – é quem a dirigirá. Acho util que façam a cousa. Uma especie de Monde, de Clarté antiga por aqui – sempre é bom. Prepare collaboração pra ella e me remetta que dou pro Castro. Deante de tudo isso – como evitar a neurasthenia e a pendencia para as soluções desesperadas e romanticas? Tenho reagido, quero reagir, mas não me aguento mais, porra.

–– Minha volta á Europa – ainda não está desfeita. Ha promessas fortes e formaes nesse sentido. De modo que isto ainda não está fóra de minhas cogitações. Creio por isso que a cousa se fará.

Na margem esquerda: Palavra de honra – que tentarei o assalto – se a situação propicia se apresentar – e em nada tiver jeito. Talvez que, caso não volte pra Europa, suma Brasil adentro, com nome trocado, para descontinuar a minha vida – e recomeçar outra – de outro jeito. E se houver qualquer cousa – falhando o assalto – commetterei outro gesto – que poderá ser inutil, mas definitivo ou compromettedor. Isso é resolução fria e inabalavel. Assim não ficarei.

[fl. 5] 5

Mas, a epoca não sei – quando – não posso dizer. 1 mez, 2, 3, não sei. De modo que a cousa não é sem rasao de ser. Nem é vaga. Vamos a ver. Pra Janeiro – talvez vá ensinar no Collegio [Goderich, palavra incompreensível] – daqui – isto é – do Meyer – que vae reabrir sobre a direção do Mesquita. Terei 350 ao menos. Serve – pra quem nada tem. Você não pode dar um pulo até aqui? Venha até aqui – poeta. Pois não supporto mais essa gente – e precisava de você pra conversar. A proposito – o Diniz ja lhe levou as revistas? Elle esteve aqui – e carregou a bagagem e me disse que em São Paulo agora levaria tudo pra você. Estive vae não vae ao Norte – mas agora é dificil. Papae vae bem, mas tem que fazer a 2ª parte da operação agora em Janeiro.

Mas como vão os cretas dahi?

Ah: soubemos que a Elsie estava doente. Espero que a cousa não tenha gravidade e que ja esteja bôa. Faça visita em meu nome. Fiquei com pena della – pois acho de facto que o fabuloso casal é mesmo digno de melhor sorte. Não se esqueça de dar nella um apertado abraço meu e outro no fabuloso poeta.9A cantora lírica Elsie Houston, irmã de Mary. Em 1928 ela se casou com o poeta surrealista francês Benjamin Péret em Paris e no começo do ano seguinte os dois mudaram-se para o Brasil. Ficaram no país até 1931, quando o poeta foi expulso por causa de sua militância na oposição de esquerda. Pedrosa chama Elsie e o amigo Péret de “o fabuloso casal”. Ando com saudades delles. Vocês deviam todos é vir pro Rio – para ver se tornavam isso aqui mais suportavel e largar esta merda ahi – que é inhabitavel. Aqui pelo menos tem rua sem buraco e um café aonde a gente se pode sentar sem se ficar sujo. Felizmente o Antonio Bento ja voltou – pois elle, a Mary e o Coutinho são os unicos bons companheiros que tenho aqui. A vantagem unica de São Paulo é que se fica fôra da familia, o que não é pouco. E o calor menos.

Adeus – poeta á força, revolucionario esculhambado.

Mario

Na margem esquerda: Por favor Venha até aqui: ha muito o que conversar. Sobre tudo. E não só sobre politica. Se fosse me embora – quem sabe se você não podia ficar como meu herdeiro aqui? Quem sabe se você não pode outra vez se arranjar por aqui? Aproveite as festas e venha. Você não morrerá de fome. Se arranja tudo. Eu preciso muito falar com você. Venha, poeta, venha ver seu amigo mais fabuloso.

Notas

1. Mary Houston, mulher e companheira de militância de Pedrosa.

2. No fim de 1929, Pedrosa, Lívio Xavier e Rodolfo Coutinho mantiveram um processo intenso de debates com outros companheiros de militância rompidos, em maior ou menor grau, com a direção do PCB, na perspectiva de construir a oposição de esquerda no Brasil. Esse trabalho, que deu origem ao Grupo Comunista Lênin, incluía a produção de estudos teóricos e de crítica à linha do partido. Um deles foi a discussão sobre o Bloco Operário e Camponês (BOC), a frente formada pelo PCB para levar adiante a política de alianças com a pequena-burguesia para eleições – embora esse ano tenha marcado seus momentos finais, sob ataque da 3ª Internacional, que iniciara seu “giro à esquerda”.

3. Na cisão de 1928, Aristides Lobo passou para a oposição, mas não saiu do PCB. Mesmo assim, mantinha contato com Lívio Xavier e outros ex-militantes. Pedrosa se refere ao caso da célula 4R, que agrupava gráficos. Em julho, ela apresentou uma série de críticas à linha sindical do PCB. A direção acusou seus militantes de indisciplina e eles reafirmaram sua posição. Em vez de abrir o debate, em agosto a direção pediu-lhes que reformulassem as críticas em forma de artigo para a revista Autocrítica, o que fizeram. Mas antes da publicação, o 3º Pleno do Comitê Central, reunido em outubro, expulsou os militantes.

4. Pedrosa se refere à acirrada campanha para a eleição presidencial de março de 1930, marcada por muita instabilidade e forte repressão a sindicatos e organizações operárias. Em 1929, o presidente Washington Luís indicou Júlio Prestes como candidato do governo. Os partidos dominantes em Minas Gerais, Paraíba e Rio Grande do Sul e legendas menores de outros Estados se uniram na Aliança Liberal, que lançou a candidatura de oposição de Getúlio Vargas. A radicalização se estendeu para além do dia da votação e desembocou na chamada Revolução de 1930, que instalou Vargas no poder em novembro.

5. O jornalista Plínio Mello vivia situação semelhante à de Aristides Lobo: apoiara os oposicionistas em 1928, mas continuava no PCB e mantinha discussões sobre a oposição de esquerda com Lívio Xavier e Pedrosa, dos quais era amigo desde 1925.

6. O crítico de arte Antônio Bento de Araújo Lima, na época deputado estadual no Rio Grande do Norte, e o jornalista e político paraibano Antenor de França Navarro, amigos antigos de Pedrosa e Lívio Xavier.

7. O fim de 1929 marcou a dispersão do Movimento Antropofágico: seus criadores, Oswald de Andrade e Tarsila, se separaram, e a Revista de Antropofagia, que Raul Bopp editava, deixou de existir. Bopp ainda sofreu um desencanto amoroso, pois Oswald se separara para casar com a escritora Patrícia Galvão, a Pagu, de quem ele gostava. Com isso, o poeta deixou São Paulo no navio japonês Kanagawa-maru e passou os dois anos seguintes viajando pelo mundo.

8. O então estudante de engenharia Sávio Antunes, os advogados Wenceslau Escobar de Azambuja e Octaviano du Pin Galvão, o professor da Faculdade de Direito do Rio Edgar de Castro Rebello e outros militantes do PCB que estavam, em maior ou menor medida, no processo de rompimento com a direção.

9. A cantora lírica Elsie Houston, irmã de Mary. Em 1928 ela se casou com o poeta surrealista francês Benjamin Péret em Paris e no começo do ano seguinte os dois mudaram-se para o Brasil. Ficaram no país até 1931, quando o poeta foi expulso por causa de sua militância na oposição de esquerda. Pedrosa chama Elsie e o amigo Péret de “o fabuloso casal”.