cartas-imgHeader

Carta 16

16. Carta de notícias enviada por Mário Pedrosa a Lívio Xavier. Paris, 6 a 12 de abril de 1929. Original. 16 folhas. [Livio-1929-04-06]

[fl. 1]

Paris – 6-4-291Depois de passar o ano de 1928 na Alemanha, Pedrosa foi para a França em abril de 1929. Lá, atuou nas fileiras da Oposição de Esquerda.

Lívio – recebi enfim um retrato seu. Se o Aristides está a seu lado, isto não quer dizer nada, e nem por isso você deixa de ser menos desertor e renegado.2O jornalista Aristides Lobo acompanhou o grupo de Lívio Xavier e Rodolfo Coutinho no rompimento com a direção do PCB e passou para a oposição, mas continuou no partido. Nas cartas deste período, Pedrosa discute a decisão do grupo com Lívio.

Estou em Paris desde o começo do mez. E esse tempo todo estava esperando que você désse signal de vida – mas você bancou o menino rabudo. Ja passou a raiva ja?

O Jm [palavra não compreensível] traiu como o Zinoviev,3Grigori Zinoviev e Lev Kamenev, líderes da Oposição Unificada, tinha sido expulsos do PC da URSS em 1927, mas se retrataram e foram reintegrados ao partido no ano seguinte. isto quer dizer que a opposição esculhambou-se toda e dissolveu-se? Mas este fim éra facil de prever-se. E depois, entregaram os pontos?

Que faz o Coutinho no Rio? Me mande o endereço delle. É pena que vocês não se tenham aguentado organisados ou pelo menos juntos – não existam como grupo. E nem ao menos se tenham dado o trabalho dum esforço commum de theorisação do movimento brasileiro, a critica fundamentada do agrarismo do Octávio etc.4O livro Agrarismo e industrialismo, do dirigente do PCB Otávio Brandão, que embasou a linha política do partido nos anos 1920 e 1930. No livro, Brandão caracteriza o Brasil como um país atrasado, de estrutura econômica “feudal”, em que a burguesia é liberal e industrialista e deve ser apoiada contra o agrarismo conservador. Consequentemente, uma revolução no Brasil teria um caráter democrático pequeno-burguês e não proletário. E nem tão pouco entrado pelo menos em correspon-

[fl. 2] 2

dencia com a opposição de Buenos Ayres e Montevidéo etc. De modo que os acontecimentos na escala internacional que se estão precipitando vão apanhar vocês de imprevisto, de sorpresa, sem preparação pra recebel-os e utilizal-os. É pena e lastimável. E o Brasil como sempre vae primar pela inexistência. E isso por culpa exclusiva de vocês que têm medo de assumir as responsabilidades do movimento. E o que pode acontecer então? O que pode acontecer então é que os Zinoviev dahi tornarão a se arrepender de se terem arrependido e os Stalinesinhos mirins que mandam ahi nesta merda adherirão pra continuarem na chefia do movimento – na ordem internacional – fazendo todas as burradas possíveis – ou então se adaptarão duma vez ao Azevedolinismo, ao Lacerdismo, ao Prestismo5Pedrosa fala dos seguidores do deputado João Batista de Azevedo Lima, do presidente de São Paulo Júlio Prestes e do ex-deputado Maurício Paiva de Lacerda, simpático aos comunistas, durante a acirrada campanha para a eleição presidencial de março de 1930. Em 1929, o então presidente Washington Luís indicou Júlio Prestes como candidato do governo. A oposição, articulada na Aliança Liberal, lançou a candidatura de Getúlio Vargas. O PCB não aderiu a nenhum dos dois. Lacerda trabalhou ativamente por Vargas e Azevedo Lima, que se elegera em 1927 com apoio do PCB, preferiu romper com o partido e apoiar Júlio Prestes. – luta contra o imperialismo e democracia. Porque na Russia as cousas já estão no fim. E vocês ficarão outra vez de lado – ou adheri-

[fl. 3] 3

rão outra vez á troika Oct-Ast-Paulo.6Referência a Otávio Brandão, Astrojildo Pereira e Paulo de Lacerda, os principais dirigentes do PCB desde seu 2º Congresso, em 1925.

11-4-29

Esta foi interrompida por muitos dias. Tenho estado aqui sempre com o Naville7Pierre Naville, editor da revista La Lutte de Classes, sucessora da Clarté e a voz da Oposição de Esquerda na França. Naville foi expulso do PC em janeiro de 1928. etc. Assisti a um curso sobre o Directorio feito pelo Mathiez.8O historiador Albert Mathiez, especialista na Revolução Francesa. Colaborador eventual de Clarté, Mathiez filiou-se ao PC francês na sua fundação, mas saiu no fim de 1922, em protesto contra a “intromissão” da Internacional Comunista e a expulsão de vários militantes. E, em casa do Naville, um sobre a situação internacional e o imperialismo, feito pelo Luciano Revo que está aqui agora (isto é desde muito tempo) em Paris. Quem assigna Primus no Bulletin Communiste é elle.9Lucien Révo era um dos pseudônimos do economista Lucien Laurat, um dos fundadores do PC da Áustria, em 1918. Muito ligado ao dirigente do PC francês Boris Souvarine, editor do jornal Bulletin Communiste, que em 1923 o chamara para lecionar na Universidade dos Trabalhadores do Ocidente, em Moscou. Mas nesse mesmo ano Souvarine passou a criticar fortemente Stalin e a direção do PC da URSS e acabou expulso em julho de 1924, voltando para a França no ano seguinte. Lucien ficou na União Soviética até 1927 e foi nesse período que aderiu à ala moderada do PC, conhecida como oposição de direita. A partir daí, passou a assinar seus artigos para o Bulletin Communiste como Primus. Depois de uma passagem por Bruxelas, estabeleceu-se em Paris em fevereiro de 1928. Gostei delle. Sabe pra burro. Perguntou pelo Coutinho – e disse – c’etait un garçon très capable. Qu’est-il devenu? Vou te mandar uma brochura delle – L’Impérialisme et la décadence capitaliste. Combate a theoria Lenine-Bukharine do imperialismo. É luxemburgista.10Imperialismo, fase superior do capitalismo, de Lenin, foi publicado em 1916 (leia aqui), e A Economia Mundial e o Imperialismo, de Nikolai Bukharin, um dos principais economistas do PC da URSS, saiu um ano depois (leia aqui). Suas teorias se contrapõem em vários pontos à que Rosa Luxemburgo, fundadora do PC alemão e uma das teóricas mais importantes do marxismo, expõe em A acumulação do Capital, de 1912 (baixe o PDF). Do ponto de vista economico marxista estou completamente de accordo. Politicamente – ainda não sei bem – não estou bem firmado. Estou estudando e tenho me encontrado com elle

[fl. 4] 4

pra discutir.

– Você deve talvez estar ao par do que se tem passado ultimamente? A respeito da expulsão de Trostky da Russia etc.11Leon Trotsky foi expulso do PC em novembro de 1927 e enviado para o exílio interno em janeiro de 1928. Ele ficou em Alma-Atá (hoje Almaty, no Cazaquistão) apenas um ano: em fevereiro de 1929, foi expulso da União Soviética. Ja sabe que foi à força a expulsão – afim de tornar impossível qualquer actividade politica de Trotsky etc? Vou te mandar Contre le Courant,12A revista Contre le Courant era de um dos grupos ligados à Oposição de Esquerda e expulsos do PC francês em dezembro de 1927. ultimos numeros e o Bulletin Communiste. Nestes estão os ultimos documentos e escriptos do Trostky etc. Este está ainda na Turquia – e não se sabe ainda se virá a Allemanha, ao menos para tratar-se etc.

A situação russa é cada vez mais premente – catastrophica. Politicamente é a dissolução ja. Economicamente – inaguentavel. A luta interna no partido etc veiu a furo. O Bukharine ja não está mais á frente da 3ª Internacional, agora é o Molotov, instrumento de Staline.13Bukharin foi o principal líder da ala moderada do PC da URSS, conhecida como oposição de direita. Sua aliança com Stalin para derrubar Zinoviev e Kamenev em 1926 e depois eliminar a Oposição Unificada marcou o auge de seu poder no partido e deu-lhe o comando da 3ª Internacional. Mas em 1928, quando decidiu abandonar a Nova Política Econômica (NEP), Stalin voltou-se contra Bukharin, seu maior defensor. Em fevereiro de 1929, ele foi condenado pela Comissão de Controle e perdeu a direção da 3ª Internacional, que foi assumida por Viatcheslav Molotov, um dos mais fortes aliado de Stalin desde o começo da revolução. O Bukharine já teve que ir se justificar perante a Commissão de Controle.

[fl. 5] 5

E parece que as cousas tomaram feição dramatica – pois quando este se viu defronte da Commissão caiu num pranto de cortar coração etc. O Rykov e o Tomsky se demittiram do Bureau Politico etc.14A condenação de Bukharin pelo comitê central do PC da URSS se estendeu aos também dirigentes da oposição de direita Alexei Rykov, presidente do Conselho dos Comissários do Povo, e Mikhail Tomsky, chefe do Conselho Central dos Sindicatos da URSS, que perderam seus cargos e postos no Birô Político.

Anti-hontem constou no Le Temps que o Tomsky tinha sido deportado etc. Mas naturalmente não se sabe nada ao certo – e até quanto possam provavelmente – vão se mantendo mais ou menos dentro da legalidade e fingindo que se submettem, disciplina etc. Toda a conversa fiada. Ajeitamento formal das cousas etc. Antes que me esqueça: Bukharine foi à Commissão de Contrôle porque foi aprehendida uma carta delle a Kamenev e a Zinoviev, convidando a estes pra lutarem contra Staline e dizendo que preferia os 2 a Staline na direção do partido. (O melhor é que segundo dizem foi o proprio Zinoviev quem denunciou a carta!) ––

Na Allemanha – o partido cada vez

[fl. 6] 6

mais mecanisado – e com os melhores elementos do ponto de vista intellectual e moral – de fóra: a expulsão de todo o Grupo de Brandler-Talheimer. É o grupo da direita.15O grupo seguia a linha da oposição de direita e foi expulso do Partido Comunista Alemão (KPD) em dezembro de 1928. Heinrich Brandler comandou o KPD até 1924 e August Thalheimer era um de seus principais teóricos. É a melhor gente do partido sob todos os pontos de vista – com uma bagagem política e uma experiencia e um passado de 1ª ordem. Do ponto de vista nacional – a situação delles é muito forte e justa. Do ponto de vista internacional porem – estão hesitantes, é confusa, ou melhor de expectativa: aguardam os acontecimentos. Acham porem a posição da Opposição russa – Trotsky etc – perigosa demais. O Paul Fröehlich, um dos leaders do grupo, o unico deputado que elles têm, um dos historiadores do partido, me disse textualmente, numa longa conversa que tive com elle antes de vir pra aqui: – realisar o programma de Trotsky – é liquidar a situação russa, os Soviets, com um grande fogo de artificio. A luta contra o Kulak16Kulak quer dizer camponês rico em russo. como quer a opposição

[fl. 7] 7

russa – é o suicidio. Aliás esta é a opinião de Souvarine, etc, de Lucien Revo etc.

Ainda hontem o Naville me disia que em resumo a solução pro Souvarine é a seguinte: realisar o programa economico preconisado pela direita mas executado não pelos homens da direita (Rykov, Tomsky Boukharine) e sim pela opposição russa Trotsky etc. Uma vez em casa ainda do Naville – eu disse numa roda – então se pode talvez formular a questão russa assim: restaurar a democracia nos organismos basicos da dictadura do proletariado – dar de novo vida propria ao partido, aos syndicatos, aos Soviets, reforçar a base de classe do Estado proletario – e então – assim garantido pelo contrôle de baixo – fazer uma politica de opportunismo economico. ––

O Lucien então respondeu – mais c’est ce que j’ai toujours dit! – Eu conto isso pra você ver como andam as cousas e conhecer o estado de espirito e a opinião geral a respeito.

[fl. 8] 8

Aliás – nenhum programa da direita foi até hoje elaborado e publicado – como por exemplo – a plataforma da opposição. Mas isto é comprehensivel. A direita russa não tem interesse, pelo contrario – de deitar programma enquanto que os grupamentos opposicionistas dos outros sectores, que não seguem in totum ou que divergem da plataforma da opposição russa – não ousam jogal-o, ou porque não se julgam bastante seguros e capazes pra isso – ou por não quererem com isso favorecerem a politica da direita russa ou romperem com a esquerda, isto é – a opposição – com a qual elles se acham do ponto de vista politico em completo accordo. É o caso por exemplo de Souvarine – que acha que Trotsky (segundo os ultimos escriptos deste) parte de um principio falso mas chega a conclusões certas, com as quaes concorda perfeitamente. Ou então é o caso da direita allemã (Brandler etc) que acha que se deve evitar de realisar a plataforma da opposição russa, levar a effeito o ponto de vista da opposição da esquerda (Urbans17Hugo Urbahns, um dos líderes da Liga Leninista, formada pelo grupo zinovievista que fora expulso do Partido Comunista alemão no fim de 1926. A Liga apoiou a Oposição Unificada, mas rachou quando o PC da URSS expulsou seus membros em novembro de 1927 e Zinoviev capitulou. Uma parte, com Urbahns à frente, recusou-se a segui-lo e se aproximou de Trotsky. tôda

[fl. 9] 9

a gente que foi Zinovievista e hoje é trotzkysta 100% etc) o que seria um suicidio romantico, e aguardar que a direita russa elabore um programa, se defina afinal – e então ver as cousas e tomar posição. É preciso a maior prudencia pro caso russo, traçar um programma definido, preconisar isto ou aquillo só – é arriscado – e por tudo isso – o que ha a fazer – é deixar a questão russa mais ou menos em paz e agir do ponto de vista nacional e tratar de arrastar a massa á uma acção politica mais intelligente e a corrigir a politica cretina do partido – sempre dentro do quadro nacional. E é o que estão fazendo na Allemanha. É esta uma posição naturalmente que pecca por falta de claresa na escala internacional. Mas o seu maior erro – é o de não querer ver – ou por outra – denunciar a direita russa como a ala thermidoriana do partido – a ponte de passagem para a burguesia – embora até agora ella ao menos nos seus chefes mais em vista não tenha talvez consciencia disso ou não

[fl. 10] 10

reconheça isso – sobretudo porque os acontecimentos ainda não a obrigaram a precisar um programa etc etc. E tambem o erro (ou talvez a má-fé) de confundir, de não querer distinguir, o ponto de vista dos trostkystas actuaes, ex-zinovievistas, bolchevisadores 100% (até Treint hoje faz profissão de fé trotzkysta etc!18Membro da direção do PC Francês, Albert Treint apoiou a troika Stalin-Zinoviev-Kamenev depois da morte de Lenin, em 1924, e impôs a linha da bolchevização no PCF, com a expulsão de militantes acusados de trotskismo. Nos anos seguintes, Treint enfrentou tensões no partido e o descontentamento da Internacional Comunista com seu desempenho. No começo de 1927, passou a defender as posições da Oposição Unificada e um ano depois foi expulso do PCF. Ele formou um agrupamento próprio e tentou se aproximar de Trotsky, mas foi rejeitado por outros grupos da oposição de esquerda.) e camaradas – todos orthodoxamente baseados na plataforma da opposição russa – com o proprio actual de Trotsky – que afinal ninguem pode saber qual é – pois nunca mais disse – elle alguma cousa a respeito desde a plataforma – e é evidente que esta hoje ja não está mais completamente á la page dos acontecimentos. As cousas de então pra cá andaram muito e em muitas partes aquelle documento envelheceu. Muitas medidas alli preconisadas, justissimas na epoca, hoje porem impossivel de serem applicadas.

Ainda hontem (11 Abril) o Naville – me mostrou um cartão

[fl. 11] 11

de dias atraz do Victor-Serge (V. Serge é trotzkysta orthodoxo),19O escritor Victor Serge, que estava na URSS desde fevereiro de 1919 e de lá enviava artigos para a Clarté. Membro da Oposição de Esquerda, em 1927 ele passou a escrever críticas violentas ao PC e à 3ª Internacional, em especial sobre a situação na China. Foi expulso do partido no início de 1928 e chegou a ficar preso por um mês. Serge continuou a viver na URSS, mas em uma situação precária, sem emprego e vítima de perseguições. Foi preso várias vezes até que conseguiu sair do país, em abril de 1936. em que dizia que na má vontade contra o Estado ja não se podia mais distinguir o camponez pobre, o trabalhador rural do kulak. Politicamente a differenciação do campo não existia mais, kulak ou não – o camponez está descontente contra o estado de cousas actual, contra o regime. Penuria não só de objectos e productos manufacturados como sobretudo de artigos de consumo immediatamente etc etc. Cançado de politica e da politica de zig-zagues do estado, da burocracia intromettida por toda a parte etc. O camponez pobre hoje prefere á alliança com o Estado etc a aliança com o kulak – que lhe assegura trabalho, o pão etc – mais facil e simplesmente etc do que a burocracia.

Por ahi se vê as cousas como andam. Quando a opposição levantou a idéa de Liga dos Camponezes pobres – foi aquella celeuma danada – trotskysmo,

[fl. 12] 12

sub-estimação do camponez e da famosa differenciação de classe nos campos, luta contra o camponez medio, anti-leninismo, etc etc etc. No entanto hoje se vê que a medida então era acertadissima – e afinal que o trabalhador do campo não é o mesmo trabalhador industrial etc etc.

Vou parar que isto ja está grande demais. Aliás você verá melhor nas revistas que lhe mando.

Não respondo a carta do Plinio20O amigo e companheiro de militância Plínio Mello. porque não vale mais a pena. Elle deve durante este tempo todo ter amadurecido as suas duvidas etc e ja deve estar alem do ponto de vista revelado na carta. E demais a mais você agora está ahi em São Paulo e deve tel-o ajudado a caminhar. Será que você deu a elle como a Aristides alguma cousa a ler? É capaz de nem nada.

Você precisa mostrar e explicar tudo ao Aristides etc. Discutirem. Não deixe o pessoal assim cretinisado

[fl. 13] 13

pra depois não se perderem. Escreve ao Coutinho e poe elle ao conhecimento disso tudo. ––

Abraços na tropa Bopp etc. Plinio Aristides etc. Antonio Bento me escreveu dizendo que vem.21O poeta modernista Raul Bopp e o crítico de arte Antônio Bento de Araújo Lima, amigos de Pedrosa e Lívio Xavier. Estou esperando.

P.S. Trotsky deu pro New York Tribune ou Herald, não sei bem mais, uma serie de artigos contando como foi expulso desde Alma-Mata [sic]. Vendeu os artigos por muito bom dinheiro: 500 Dollares. Naturalmente aproveitaram a cousa pra esculhambal-o, collaboraçao em jornal burguez, vendido, etc etc. Vocês ahi devem ter sabido disso. Mas – isto é o mesmo caso do trem blindado de Lenine.22Depois da Revolução de Fevereiro de 1917, Lenin e outros exilados na Suíça queriam voltar à Rússia, mas a França, aliada da Rússia, proibiu-os de atravessar seu território. Depois de muitas negociações, a Alemanha permitiu sua passagem num trem guardado por soldados e “selado” (ou blindado), ou seja, sem que ninguém pudesse entrar nele durante o percurso. Em julho, o Governo Provisório usou esse episódio para acusar Lenin de ser um espião alemão e determinar sua prisão. Precisava de uma tribuna de onde podesse ser ouvido por todo o proletariado mundial – e depois o dinheiro – destinou á publicação das obras e trabalhos da opposição russa e internacional

[fl. 14] 14

etc. Fez muito bem. Conto isso que é pra você ficar ao par das cousas claramente.
Tanto que deverá em breve sair uma revista internacional da opposição ou das opposições – theorica – e politica etc.

Ultima hora: a Allemanha recusou dar o vizo pra elle vir pra Allemanha. Isso é um buraco. O pretexto foi que o governo dos Soviets não vê isso com bons olhos – como um acto amigavel do governo do Reich – e segundo – que as empresas balnearias – pra onde Trotzky pensou ir – communicaram ao governo não quererem tal hospede – que iria afugentar a freguesia. Está assim o Trotzky como a mãe de São Pedro. Agora difficultou tudo – pois os outros paizes vão levar em conta a decisão do governo allemão. Os outros paizes – isto é – Vienna – Tchechoslovaquia e Noruega etc, (aonde ha governo da esquerda). E a vinda delle pro centro da Europa éra de grande necessidade. Constantinopla é muito longe – e elle fica isolado, alem disso o grande perigo que está correndo

[fl. 15] 15

a toda hora – de ser assassinado etc – todo o rebutalho de Wrangel que elle excurrassou da Russia vive em Constantinopla etc.23O general Pyotr Wrangel, um dos comandantes do Exército Branco na guerra civil russa (1917-1923). Foi derrotado pelos bolcheviques na Crimeia em 1920 e fugiu com suas forças para Constantinopla.

Naturalmente teve o governo allemão medo que em torno delle se viesse a cristalisar uma opposição internacional – e nacional – verdadeiramente communista etc. Isto prova – que o governo pode viver muito bem com o partido comunista official e prefere que elle continúe assim e não venha soffrer da critica e duma pressão de nucleo de classe verdadeiramente communista e revolucionario – de modo a influencia-lo e a transformal-o, revigoral-o.

E depois “elles” ainda vão cretinisar o operario accusando a opposição de ser alliada da burguesia! ––

Bem – acabou mesmo desta vez.
––
Você viu por ahi – o Benjamin Péret e a Elsie? Me escreva pro consulado em Berlim. Tem tido notícias do Castro? Me conte alguma cousa do que vae por ahi.24Pedrosa se refere a amigos comuns e companheiros de militância: o poeta surrealista francês Benjamin Péret e a cantora lírica Elsie Houston, que se casaram em 1928 e viviam no Brasil, e o professor de Direito Edgar de Castro Rebello, que ele e Lívio Xavier conheciam desde os tempos de faculdade.

Abraços e saudades do

Mario.

[fl. 16] 16

O dia 25 vem ahi – e é preciso então preencher as formalidades do protocolo – por isso – ahi vae meu abraço que não é, e nem pode ser, nem de felicitações, que não se explica, nem de votos… de felicidade, que pode dar vontade de chorar ou de rir, mas talvez de obrigação ou simplesmente uma concessão que me é facil ainda de fazer ao sentimentalismo. E pra não mentir – é isso mesmo.

Adeus – abraços

Mario

P.S. Se você achar conveniente – pode dar 1 abraço no Rubens de minha parte.

Notas

1. Depois de passar o ano de 1928 na Alemanha, Pedrosa foi para a França em abril de 1929. Lá, atuou nas fileiras da Oposição de Esquerda.

2. O jornalista Aristides Lobo acompanhou o grupo de Lívio Xavier e Rodolfo Coutinho no rompimento com a direção do PCB e passou para a oposição, mas continuou no partido. Nas cartas deste período, Pedrosa discute a decisão do grupo com Lívio.

3. Grigori Zinoviev e Lev Kamenev, líderes da Oposição Unificada, tinha sido expulsos do PC da URSS em 1927, mas se retrataram e foram reintegrados ao partido no ano seguinte.

4. O livro Agrarismo e industrialismo, do dirigente do PCB Otávio Brandão, que embasou a linha política do partido nos anos 1920 e 1930. No livro, Brandão caracteriza o Brasil como um país atrasado, de estrutura econômica “feudal”, em que a burguesia é liberal e industrialista e deve ser apoiada contra o agrarismo conservador. Consequentemente, uma revolução no Brasil teria um caráter democrático pequeno-burguês e não proletário.

5. Pedrosa fala dos seguidores do deputado João Batista de Azevedo Lima, do presidente de São Paulo Júlio Prestes e do ex-deputado Maurício Paiva de Lacerda, simpático aos comunistas, durante a acirrada campanha para a eleição presidencial de março de 1930. Em 1929, o então presidente Washington Luís indicou Júlio Prestes como candidato do governo. A oposição, articulada na Aliança Liberal, lançou a candidatura de Getúlio Vargas. O PCB não aderiu a nenhum dos dois. Lacerda trabalhou ativamente por Vargas e Azevedo Lima, que se elegera em 1927 com apoio do PCB, preferiu romper com o partido e apoiar Júlio Prestes.

6. Referência a Otávio Brandão, Astrojildo Pereira e Paulo de Lacerda, os principais dirigentes do PCB desde seu 2º Congresso, em 1925.

7. Pierre Naville, editor da revista La Lutte de Classes, sucessora da Clarté e a voz da Oposição de Esquerda na França. Naville foi expulso do PC em janeiro de 1928.

8. O historiador Albert Mathiez, especialista na Revolução Francesa. Colaborador eventual de Clarté, Mathiez filiou-se ao PC francês na sua fundação, mas saiu no fim de 1922, em protesto contra a “intromissão” da Internacional Comunista e a expulsão de vários militantes.

9. Lucien Révo era um dos pseudônimos do economista Lucien Laurat, um dos fundadores do PC da Áustria, em 1918. Muito ligado ao dirigente do PC francês Boris Souvarine, editor do jornal Bulletin Communiste, que em 1923 o chamara para lecionar na Universidade dos Trabalhadores do Ocidente, em Moscou. Mas nesse mesmo ano Souvarine passou a criticar fortemente Stalin e a direção do PC da URSS e acabou expulso em julho de 1924, voltando para a França no ano seguinte. Lucien ficou na União Soviética até 1927 e foi nesse período que aderiu à ala moderada do PC, conhecida como oposição de direita. A partir daí, passou a assinar seus artigos para o Bulletin Communiste como Primus. Depois de uma passagem por Bruxelas, estabeleceu-se em Paris em fevereiro de 1928.

10. Imperialismo, fase superior do capitalismo, de Lenin, foi publicado em 1916 (leia aqui), e A Economia Mundial e o Imperialismo, de Nikolai Bukharin, um dos principais economistas do PC da URSS, saiu um ano depois (leia aqui). Suas teorias se contrapõem em vários pontos à que Rosa Luxemburgo, fundadora do PC alemão e uma das teóricas mais importantes do marxismo, expõe em A acumulação do Capital, de 1912 (baixe o PDF).

11. Leon Trotsky foi expulso do PC em novembro de 1927 e enviado para o exílio interno em janeiro de 1928. Ele ficou em Alma-Atá (hoje Almaty, no Cazaquistão) apenas um ano: em fevereiro de 1929, foi expulso da União Soviética.

12. A revista Contre le Courant era de um dos grupos ligados à Oposição de Esquerda e expulsos do PC francês em dezembro de 1927.

13. Bukharin foi o principal líder da ala moderada do PC da URSS, conhecida como oposição de direita. Sua aliança com Stalin para derrubar Zinoviev e Kamenev em 1926 e depois eliminar a Oposição Unificada marcou o auge de seu poder no partido e deu-lhe o comando da 3ª Internacional. Mas em 1928, quando decidiu abandonar a Nova Política Econômica (NEP), Stalin voltou-se contra Bukharin, seu maior defensor. Em fevereiro de 1929, ele foi condenado pela Comissão de Controle e perdeu a direção da 3ª Internacional, que foi assumida por Viatcheslav Molotov, um dos mais fortes aliado de Stalin desde o começo da revolução.

14. A condenação de Bukharin pelo comitê central do PC da URSS se estendeu aos também dirigentes da oposição de direita Alexei Rykov, presidente do Conselho dos Comissários do Povo, e Mikhail Tomsky, chefe do Conselho Central dos Sindicatos da URSS, que perderam seus cargos e postos no Birô Político.

15. O grupo seguia a linha da oposição de direita e foi expulso do Partido Comunista Alemão (KPD) em dezembro de 1928. Heinrich Brandler comandou o KPD até 1924 e August Thalheimer era um de seus principais teóricos.

16. Kulak quer dizer camponês rico em russo.

17. Hugo Urbahns, um dos líderes da Liga Leninista, formada pelo grupo zinovievista que fora expulso do Partido Comunista alemão no fim de 1926. A Liga apoiou a Oposição Unificada, mas rachou quando o PC da URSS expulsou seus membros em novembro de 1927 e Zinoviev capitulou. Uma parte, com Urbahns à frente, recusou-se a segui-lo e se aproximou de Trotsky.

18. Membro da direção do PC Francês, Albert Treint apoiou a troika Stalin-Zinoviev-Kamenev depois da morte de Lenin, em 1924, e impôs a linha da bolchevização no PCF, com a expulsão de militantes acusados de trotskismo. Nos anos seguintes, Treint enfrentou tensões no partido e o descontentamento da Internacional Comunista com seu desempenho. No começo de 1927, passou a defender as posições da Oposição Unificada e um ano depois foi expulso do PCF. Ele formou um agrupamento próprio e tentou se aproximar de Trotsky, mas foi rejeitado por outros grupos da oposição de esquerda.

19. O escritor Victor Serge, que estava na URSS desde fevereiro de 1919 e de lá enviava artigos para a Clarté. Membro da Oposição de Esquerda, em 1927 ele passou a escrever críticas violentas ao PC e à 3ª Internacional, em especial sobre a situação na China. Foi expulso do partido no início de 1928 e chegou a ficar preso por um mês. Serge continuou a viver na URSS, mas em uma situação precária, sem emprego e vítima de perseguições. Foi preso várias vezes até que conseguiu sair do país, em abril de 1936.

20. O amigo e companheiro de militância Plínio Mello.

21. O poeta modernista Raul Bopp e o crítico de arte Antônio Bento de Araújo Lima, amigos de Pedrosa e Lívio Xavier.

22. Depois da Revolução de Fevereiro de 1917, Lenin e outros exilados na Suíça queriam voltar à Rússia, mas a França, aliada da Rússia, proibiu-os de atravessar seu território. Depois de muitas negociações, a Alemanha permitiu sua passagem num trem guardado por soldados e “selado” (ou blindado), ou seja, sem que ninguém pudesse entrar nele durante o percurso. Em julho, o Governo Provisório usou esse episódio para acusar Lenin de ser um espião alemão e determinar sua prisão.

23. O general Pyotr Wrangel, um dos comandantes do Exército Branco na guerra civil russa (1917-1923). Foi derrotado pelos bolcheviques na Crimeia em 1920 e fugiu com suas forças para Constantinopla.

24. Pedrosa se refere a amigos comuns e companheiros de militância: o poeta surrealista francês Benjamin Péret e a cantora lírica Elsie Houston, que se casaram em 1928 e viviam no Brasil, e o professor de Direito Edgar de Castro Rebello, que ele e Lívio Xavier conheciam desde os tempos de faculdade.