cartas-imgHeader

Carta 14

14. Carta de notícias enviada por Mário Pedrosa a Lívio Xavier. Berlim, 30 de janeiro de 1928. Original. 3 folhas. [Livio-1928-01-30]

[fl. 1]

Livio. Seu merda porque você ainda não me escreveu?1Mário Pedrosa estava em Berlim desde novembro de 1927. Ele devia ter seguido para Moscou, onde o PCB o enviara para fazer a Escola Leninista, mas desistiu da viagem depois de saber que o 15º Congresso do PC da URSS expulsara os oposicionistas e proibira qualquer tipo de questionamento da direção partidária.

O Naville me convidou para fazer um trabalho para Clarté2O escritor surrealista Pierre Naville dirigia a revista Clarté, vinculada ao PC francês. Mas vinha num curso de atrito com a direção e desde novembro de 1927 a revista já funcionava como a voz dos trotskistas na França. Ele foi expulso do PCF em janeiro de 1928. sobre a America do Sul (aqui não se conhece Brasil ou Argentina etc – é só America do Sul que interessa.) Mandei lhe dizer que não podia fazer isso já e que só mandando pedir dados ahi. Você se encarregue disso, faz favor. Peça. Falle com o Coutinho, com o Castro.3O dirigente do PCB Rodolfo Coutinho e o professor de Direito Edgar de Castro Rebello, também do partido. E com o Mesquita que diz conhecer muita gente lá na Argentina. E depois – me mande o que conseguir e alguma opinião e suggestão – dahi – de vocês. Quero fazer uma cousa – como sendo quasi collectiva, nosso pensamento.

Desenvolvimento das classes, sobretudo Brasil, Argentina. Proletariado e burguezia. Luta contra o imperialismo – nacionalismo – pela burguezia? Relação da burguezia do campo, lavoura – o famoso café feudal(?) do Brandão4Pedrosa se refere ao livro Agrarismo e industrialismo, de 1926. Nele, o dirigente e teórico do PCB Otávio Brandão caracteriza o Brasil como um país atrasado, com uma estrutura econômica arcaica de tipo “feudal”. E classifica o movimento tenentista de 1924 como uma batalha da pequena-burguesia nacional “contra os fazendeiros de café, senhores da nação”. – e a da cidade, industrial. Isso aqui interessa muito. A America do Sul interessa ao movimento mais do que pensava. Soube que Zinoviev5Grigori Zinoviev, dirigente histórico do Partido Bolchevique e um dos líderes da Revolução Russa. Na época, membro da Oposição Unificada recém-expulso do PC da URSS. – punha ou põe muita esperança na America do Sul?! Os russos se interessam muito por nós.

O Naville me mandou dizer que éra muito interessante. E éra uma occasião – para darmos a nossa opinião – mais livremente, mais seriamente, com mais espirito critico – do que nos orgãos officiaes. E a diffusão seria garantida. Isto é uma cousa necessaria. A questão da luta contra o imperialismo depois da experiencia da China é por demais importante. E nós – como militantes de paiz semi-colonial – poderemos dizer claramente como é a situação – etc. Mande-me tambem o livro de Victor Vianna sobre a formação economica do Brazil – tem na Imprensa Official.6Histórico da formação econômica do Brasil, de Victor Viana, publicado em 1922. E o retrospecto do Jornal do Commercio etc. Veja isto com urgencia. Converse com o pessoal – Castro, Coutinho etc.

[fl. 2]

Concertem um plano. Podemos até manter uma collaboração quasi permanente em Clarté – sobre o desenvolvimento político etc do imperialismo americano etc – entre nós – uma denuncia constante etc. Ainda agora por occasião desta bosta do Congresso Pan-Americano – L’Humanité e a Rote Fahne – deram uma importancia exaggerada a isto e os jornaes burguezes tambem.7Trata-se da 6ª Conferência Pan-americana, realizada em Havana (Cuba), de 16 de janeiro a 28 de fevereiro de 1928. As conferências reuniam dirigentes de países da América para discutir questões de cooperação e comércio. A penúltima, em 1948, criou a Organização dos Estados Americanos (OEA), que acabou por substituí-las. L’Humanité e Die Rote Fahne (A Bandeira Vermelha) eram os jornais oficiais, respectivamente, do PC francês e do PC alemão. Podia-se até entrar em ligações com gente escolhida, que estuda e entenda as cousas – de Argentina etc, intellectuaes comunistas naturalmente, sem ser illuminados. Hoje é só pra isto.

Acho que podemos fazer uma bôa tarefa – e precisa – e que a Internacional pode della ter conhecimento, sobretudo os chefes de responsabilidade – porque as fontes de informação que elles têm, você sabe, são as mais deploraveis possiveis. (Basta pensar no nosso caso ahi.)

Trotzky mantem o seu ponto de vista e a fracção. E rompeu contra Zinoviev. Acha que o grupo opposicionista deve manter e defender o seu ponto de vista – contra Thermidor – e trabalhar para conquistar a Comintern.8O PC da URSS também expulsou Leon Trotsky, outro líder da Oposição Unificada. Mas ao contrário de Zinoviev, que se retratou e pediu a reintegração ao PC, Trotsky manteve o grupo e suas posições. Comintern é outro nome da 3ª Internacional. É contra a creação dum 2º partido e 1 quarta Internacional. Minha impressão é que a posição delle, embora se justifique (pois se Thermidor existe, como elle acredita, – ficar dentro do partido – sem denunciar, sem poder denunciar, pelo contrario, obrigado a negar Thermidor – é inutil e prejudicial á Revolução, é talvez peior do que ficar de fóra, denunciando Thermidor, sem se cançar) é muito difficil – pois pode se distanciar da massa – e a força das cousas leva a combater na direcção do P.C. o proprio partido e no governo – a propria U.R.S.S. Vamos a ver.

Como estava prevendo – com o famoso testamento de Lenine – que Clarté publicou – tudo veio de má vontade, do capricho de Staline contra Trotzky – segundo o proprio Lenine.9Lenin morreu em janeiro de 1924, depois de uma série de derrames nos anos anteriores. Em dezembro de 1922, já incapaz de escrever, ele ditou uma série de notas, que ficaram conhecidas como seu testamento. Nelas, propunha mudanças no sistema político e na estrutura do partido, discutia o risco de divisões internas e o perfil de alguns dirigentes, e sugeria que Stalin fosse substituído na secretaria-geral. O PC decidiu não publicar essas notas, mas elas foram contrabandeadas para fora da URSS. A revista Clarté as publicou em novembro de 1927. Joffe – escreveu 1 carta ao Trotzky muito interessante

[fl. 3]

ao Trotzky antes de matar-se.10Adolf Abramovich Joffe, ex-comissário de Assuntos Estrangeiros, suicidou-se em 16 de novembro de 1927, deixando uma carta ao amigo Trotsky. Nela diz que, impossibilitado de tomar parte ativa na oposição por uma doença que o deixava inválido, decidiu se matar como protesto contra o rumo do partido e as perseguições contra a oposição. Fez um barulhão esta carta. Clarté publica um longo trecho – a Rote Fahne publicou um pedacinho – com um commentario muito besta.
Esta vou mandar pro Coutinho. Victor Serge – publica agora em Clarté uma exposição mais ou menos franca da situação russa – e os pontos de vista divergentes – do C.C. e da Opposição.11O escritor Victor Serge, que estava na URSS desde fevereiro de 1919 e de lá enviava artigos para a Clarté. Membro da Oposição de Esquerda, em 1927 ele passou a escrever críticas violentas ao PC da URSS e à 3ª Internacional, em especial sobre a situação na China. Foi expulso do partido em 1928.

As declarações de Zinoviev dão a impressão de que elle está desarvorado – ficou com cagaço – como se não previsse o desenlace da questão e ha contradição. Pois chega a dizer agora que a plataforma da Opposição ao 15º Congresso – “foi estabelecida como um documento se oppondo à política da C.C. do partido em toda a linha”– e não então como uma analyse marxista da situação e o ponto de vista da opposição sobre a melhor politica a seguir pelo partido?! Dá pena – e mostra fraquesa. A sua posição é justa – mas não poderá mais ter influencia no partido nem será mais um chefe. Mas ha outros pontos de sua declaração que são justos e bem definidos, como o da importancia da U.R.S.S para o movimento operario mundial e como força motriz da revolução mundial, alias não negado por Trotzky. ––

Minha situação ainda não esta regrada. Até hoje ainda não recebi decisão do C.C. sobre o meu caso (a burocracia é sempre a mesma – 1 mez para decidir 1 bosta) Vou lá outra vez. O meu professor de allemão – é membro do P.C. e presidente de cellula – e não como eu pensava sympatizante. – Adeus.

Me escreva – e isto, porra, não se explica que você não me tenha escripto uma linha! Palavra de honra que estou safado. Não comprehendo mesmo que tenha sido preciso esperar uma carta minha – para então – protocollarmente – me responder. E se é por isto – ja lhe tinha escripto 1 cartão. Mas se isto é amisade, merda.

Mario 30-1-28

Notas

1. Mário Pedrosa estava em Berlim desde novembro de 1927. Ele devia ter seguido para Moscou, onde o PCB o enviara para fazer a Escola Leninista, mas desistiu da viagem depois de saber que o 15º Congresso do PC da URSS expulsara os oposicionistas e proibira qualquer tipo de questionamento da direção partidária.

2. O escritor surrealista Pierre Naville dirigia a revista Clarté, vinculada ao PC francês. Mas vinha num curso de atrito com a direção e desde novembro de 1927 a revista já funcionava como a voz dos trotskistas na França. Ele foi expulso do PCF em janeiro de 1928.

3. O dirigente do PCB Rodolfo Coutinho e o professor de Direito Edgar de Castro Rebello, também do partido.

4. Pedrosa se refere ao livro Agrarismo e industrialismo, de 1926. Nele, o dirigente e teórico do PCB Otávio Brandão caracteriza o Brasil como um país atrasado, com uma estrutura econômica arcaica de tipo “feudal”. E classifica o movimento tenentista de 1924 como uma batalha da pequena-burguesia nacional “contra os fazendeiros de café, senhores da nação”.

5. Grigori Zinoviev, dirigente histórico do Partido Bolchevique e um dos líderes da Revolução Russa. Na época, membro da Oposição Unificada recém-expulso do PC da URSS.

6. Histórico da formação econômica do Brasil, de Victor Viana, publicado em 1922.

7. Trata-se da 6ª Conferência Pan-americana, realizada em Havana (Cuba), de 16 de janeiro a 28 de fevereiro de 1928. As conferências reuniam dirigentes de países da América para discutir questões de cooperação e comércio. A penúltima, em 1948, criou a Organização dos Estados Americanos (OEA), que acabou por substituí-las. L’Humanité e Die Rote Fahne (A Bandeira Vermelha) eram os jornais oficiais, respectivamente, do PC francês e do PC alemão.

8. O PC da URSS também expulsou Leon Trotsky, outro líder da Oposição Unificada. Mas ao contrário de Zinoviev, que se retratou e pediu a reintegração ao PC, Trotsky manteve o grupo e suas posições. Comintern é outro nome da 3ª Internacional.

9. Lenin morreu em janeiro de 1924, depois de uma série de derrames nos anos anteriores. Em dezembro de 1922, já incapaz de escrever, ele ditou uma série de notas, que ficaram conhecidas como seu testamento. Nelas, propunha mudanças no sistema político e na estrutura do partido, discutia o risco de divisões internas e o perfil de alguns dirigentes, e sugeria que Stalin fosse substituído na secretaria-geral. O PC decidiu não publicar essas notas, mas elas foram contrabandeadas para fora da URSS. A revista Clarté as publicou em novembro de 1927.

10. Adolf Abramovich Joffe, ex-comissário de Assuntos Estrangeiros, suicidou-se em 16 de novembro de 1927, deixando uma carta ao amigo Trotsky. Nela diz que, impossibilitado de tomar parte ativa na oposição por uma doença que o deixava inválido, decidiu se matar como protesto contra o rumo do partido e as perseguições contra a oposição.

11. O escritor Victor Serge, que estava na URSS desde fevereiro de 1919 e de lá enviava artigos para a Clarté. Membro da Oposição de Esquerda, em 1927 ele passou a escrever críticas violentas ao PC da URSS e à 3ª Internacional, em especial sobre a situação na China. Foi expulso do partido em 1928.